29 de outubro de 2019

Cedesp, ferramenta de inclusão social através do trabalho

Os centros de desenvolvimento social produtivo, Cedesp, são núcleos de capacitação profissional, social e humana oferecidos por Ongs, diretamente ou em parceria com orgãos públicos, que visa qualificar jovens e adultos em diversas áreas profissionais para inclusão no mercado de trabalho. Além da qualificação técnica, os Cedesps também oferecem formação social aos educandos, como postura profissional, ética, técnicas de interação interpessoal e formação humana, como sociabilidade, qualidade de vida e auto cuidado.

Atualmente são 58 unidades de Cedesp em toda a cidade de São Paulo, localizados nas regiões periféricas, atendendo a população em situação de vulnerabilidade social. Cerca de 16 mil pessoas utilizam o serviço, sendo eles jovens à partir dos 15 anos até adultos com limite de 59 anos de idade.

Contudo, a atual gestão municipal adota uma política de cortes de verbas na área social assistencial da cidade, afetando diretamente este serviço. Somente em 2019, o corte orçamental da pasta da Assistência Social chegou ao valor de R$ 220 mi de reais. Parte desse recurso seria destinado aos Cedesps, afim da manutenção dos equipamentos e continuidade nos atendimentos. Ainda neste ano, ocorre um processo de renovação de convênio da prefeitura com as entidades filantrópicas que ofertam este serviço. Processo este que ainda está em curso, porém, causando extrema preocupação em algumas unidades que não puderam fechar parceria, por tramites burocráticos que a gestão municipal exerce através de editais, inviabilizando a permanecia de funcionamento destas unidades.

Cabe agora às instituições sociais, trabalhadores e usuários defenderem a permanência deste serviço tão necessário para a aplicação da justiça social, com preparação para o mercado de trabalho através da qualificação profissional, formação social e humana
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!