painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Millena Gama
27/11/2020

“Cai, cai, educação”

Pandemia evidencia a defasagem presente na rede pública

A pandemia do novo coronavírus modificou o formato de ensino em uma escala mundial. Professores e alunos se viram diante de um cenário atípico, no qual precisaram se adaptar. Por um lado, a metodologia empregada pelos educadores sofreu modificações para que os mesmos conseguissem transmitir os conteúdos à distância aos estudantes já habituados com o ensino presencial. E do outro, os alunos passaram a adotar uma rotina diferenciada para acompanhar o ritmo acelerado do aprendizado auxiliado por meio das novas tecnologias.

Cristiane de Andrade Albuquerque, 38, reside na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Em um levantamento realizado pela Prefeitura de São Paulo entre o período de março até o início de agosto, o bairro se destaca como o segundo com maior número de mortes, perdendo apenas para a região da Sapopemba, localizada na zona leste. Cristiane ocupa a função como assistente administrativo e tem dois filhos: Eloah, 3, e o Pietro Albuquerque da Cunha, 11. Ele estuda em uma escola pública, está no 6° ano do ensino fundamental e se encontra desorientado em meio a tantas mudanças. “É como se um caminhão estivesse atrás dele a bordo de uma bicicleta. Ele se sente perdido, sem muita orientação do começo, meio e fim das matérias, pois ainda não se habituou com a rotina da segunda fase do ensino fundamental, diferentes professores, trabalhos e prazos. É muita informação pra assimilar e adaptar”, descreve a mãe de Pietro.

Foto: Cristiane de Andrade e o filho Pietro

Francisca Silva, 34, também atua no cargo de assistente administrativo e destaca que a falta de tempo se apresenta como a maior dificuldade neste período, visto que ela e o marido trabalham fora de casa. O filho Miguel, 3, está na creche e a filha Maria Fernanda, 10, estuda no 5° ano do ensino fundamental em uma escola pública em Osasco, na região metropolitana, e sofre com a falta de estímulo para se dedicar aos estudos e compreender as matérias em sua totalidade. Com o objetivo principal de melhorar o rendimento escolar da filha, Francisca procura dedicar ao menos 1 hora por dia para ajudar a criança.
No momento, as crianças convivem com uma série de obstáculos dos quais precisam lutar diariamente para ultrapassar. Além da indisponibilidade integral dos pais que precisam sair para garantir o sustento da família, estas crianças ainda experimentam a ociosidade. O que outrora era descarregado em atividades escolares e físicas de modo presencial e na companhia dos colegas da mesma faixa etária, agora perde o lugar para a televisão, celular e demais aparelhos eletrônicos disponíveis em casa que roubam a atenção dessas crianças.
Assim como muitas mães, elas não se sentem seguras para o caso dos filhos precisarem retornar ao ensino presencial na pandemia. “Devido o distanciamento dos alunos das salas de aulas, o impacto será no momento de retomada, pois muitos alunos estão acostumados a ficar em casa assistindo televisão e o compromisso com o aprendizado vai ficando de lado”, enfatiza Francisca, mãe de Maria Fernanda.

Foto: Francisca Silva e a filha Maria
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!