Postado por CESAR GOUVEIA
21/03/2020

Como é a vida em outro planeta… tão perto de nós

POR CESAR GOUVEIA
David Scott, a sétima pessoa a andar pela Lua e a primeira a dirigir nela, em certa entrevista disse que somente um artista e um poeta poderiam transmitir a beleza do espaço. E eu concordo, e tentarei transmitir a minha sensação de ter vivido um dia num planeta de terra vermelha, que de tão perto de nós, está sendo transformado.

Assim como as idas espetaculares ao espaço feitas por Jeff Bezos, Richard Branson e Elon Musk, estes empresários bilionários têm a mesma ambição de desbravar Marte. Eles são considerados por muitas pessoas grandes malucos por estarem numa corrida espacial. Segundo Elon Musk, a vida aqui em nosso planeta está com o prazo contado. Para ele, a vida na terra tem 100% de chances de extinção. É, realmente pessoas como Musk podem ser facilmente consideradas malucas. Mas não é o caso do líder chefe da 1ª expedição à Marte feita por brasileiros com a Gerando Falcões e Latam, Edu Lyra.

O CEO da Rede Gerando Falcões levou eu e mais 120 pessoas entre empresários, jornalistas e personalidades artísticas no último sábado, dia 19, à Favela Marte para ver como é a vida na primeira Favela 3D. E como tive a experiência de estar lá, devo dizer que majoritariamente é um planeta repleto de vida. Onde chove e faz sol. Onde mulheres e homens talentosos mostram e comercializam seus potenciais. Como é o caso de Lia, líder de comunicação da favela. Uma mulher, mãe, empreendedora e que vem se descobrindo como uma das maiores comunicadoras das favelas brasileiras.

Viver este dia marcante, que deveria ser reconhecido pelo Guinness, o livro dos recordes, como a maior expedição já feita ao planeta vermelho, foi sem sombra de dúvidas a minha maior vivência como brasileiro até aqui. Ver em detalhes e com tamanha nitidez a vida em outro planeta foi magnífico.

E, assim como foi para Edwin Aldrin que foi à superfície lunar junto com Amstrong, para mim viver um dia em Marte junto com Edu Lyra e Amanda Oliveira foi uma das experiências de voo mais divertidas e agradáveis, desafiadoras e recompensadoras. Posso dizer ao próprio Aldrin que não fui à Lua, mas, que o que ele sempre disse que um dia veria as pessoas em Marte aconteceu. O homem enviou, Aldrin, “algumas pessoas para a superfície de Marte”, e eu fui uma delas.
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!