Postado por acsa tayane
25/07/2020

Acesso à educação em tempos de pandemia escancara a desigualdade educacional no Brasil

Estudantes enfrentam na pele os desafios de acompanhar aulas online durante a crise do novo coronavírus

Segundo a UNESCO, a falta do acesso à educação no Brasil está intrinsecamente ligada com as desigualdades sociais apresentadas no país. E a situação se agrava ainda mais em tempos de pandemia, como agora, com a chegada do novo coronavírus.

Como uma das alternativas para evitar a propagação do vírus, as aulas foram suspensas e por isso, as redes de ensino buscam alternativas de educação remota. Mas, as limitações tecnológicas acentuam ainda mais a desigualdade do acesso à educação no país. Enquanto filhos de famílias com poder aquisitivo mais alto podem continuar estudando em casa com celulares, computadores portáteis e com acesso à internet, outros milhões de estudantes ficaram completamente desconectados do ambiente educacional.

Os caminhos trilhados pelo país no que diz respeito à educação são controversos e criam um ambiente de dúvidas em relação ao futuro próximo. Com a proposta de Ensino à Distância, jovens de comunidades enfrentam a batalha de continuar seus estudos. Sem acesso à internet e muitas vezes sem computadores, o sonho de chegar ao ensino superior se torna ainda mais distante no horizonte do vestibulandos de favelas de todo o Brasil.

As dificuldades impostas pela exclusão digital amplia o abismo que separa os estudantes periféricos de uma vaga na universidade. Sem saber qual será o impacto do Coronavírus no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e nos demais vestibulares, estudantes temem em não conseguir ingressar no ensino superior no próximo ano letivo.

Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!