painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Acsa Tayane
30/09/2020

Atleta profissional e youtuber, Samuel é referência para jovens da periferia no universo futebolístico

“Não para, não podemos parar” esse é o lema do craque da quebrada
“Bola na rede pra fazer o gol. Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?” certamente, você já ouviu esse trecho da canção gravada pela banda brasileira Skank. Considerada por muito tempo um “hino do futebol”, a música retrata de forma primorosa um jogo e toda a paixão que corre nas veias de um torcedor.

Quando se fala em paixão pelo futebol, sem dúvidas, é necessário mencionar o craque da periferia, Samuel da Silva (26), o Samuca e para os mais chegados, o Sam. Sua história com a bola começou no projeto construindo o futuro, conhecido como OZEM. Lá ele aprendeu a jogar, a ganhar, a perder e principalmente, a persistir, “Graças ao futebol eu sei assumir meu compromisso. Se eu apanhar eu sei levantar e tentar novamente. Mas, além tentar, eu aprendi a me arriscar”, comenta o atleta.

Quando tinha de 14 para 15 anos, Samuel perdeu o pai, que também era atleta. Conhecido como Metralha, o ex-jogador do Vera Cruz FC, foi o seu grande incentivador. Apesar da perda, Samuel não deixou de continuar buscando pelo seu sonho. Com uma longa carreira e pouca idade, o craque já passou por alguns times e já foi até driblar a bola nos gramados de Portugal pelo Atlético Clube Alcanenense.
Originário da Favela da Vila Prudente, o jogador agora é também conhecido na comunidade por conta de seu canal 2 toques resenha, no YouTube. Nele, Samuel e seus parceiros fazem desafios de futebol e realizam uma série de entrevistas com os próprios moradores da quebrada, “Por meio do canal eu posso contar histórias incríveis de pessoas da comunidade. Lá, batemos papo, falamos sobre as vitórias e derrotas da vida real. É literalmente uma resenha”, comenta. Buscando mostrar a relação intensa entre os moradores e a comunidade, o canal que bateu recentemente 2 mil inscritos tem uma linguagem livre, dinâmica, sem amarras e divertida.

Ao percorrer as cidades brasileiras, de norte a sul o futebol se faz presente, seja em grandes estádios, campos simples com chão batido ou até mesmo na internet. A história de Samuel se assemelha a de muitos jovens que, ao longo da vida, nutrem o sonho de se tornarem jogadores de futebol. As sementes plantadas hoje por personagens como ele, mostra que o esporte e sua prática vai além da fama e das disputas dentro dos estádios e ginásios, “O futebol ensina muitas coisas, ele é capaz de transformar vidas, e ele transformou a minha”, finaliza o atleta.
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!