Oficina de grafite ocupa biblioteca e vira espaço de expressão para jovens e adultos

Com auxílio de artista urbano, alunos criam intervenções e expressam sua realidade no espaço público
O artista Eduardo, popularmente conhecido como "Punk", é o idealizador de um projeto que oferece oficinas de grafite à jovens e adultos no bairro do Sapopemba, Zona Leste de São Paulo. Mais precisamente no Jardim Grimaldi, está localizada a biblioteca Gilberto Freyre, espaço que Punk ocupa junto à um grupo de 12 pessoas que estão descobrindo a arte do grafite, criando intervenções no espaço interno da unidade e dando vida à um espaço defasado da presença do público da região.

Realizadas aos sábados pela manhã, as oficinas consistem em aulas de desenho e pintura em diversos tipos de estruturas e materiais, como papel sulfite, madeira e cimento. O projeto que é apoiado pela Secretaria da Cultura municipal, cede o espaço e arca com a remuneração dos oficineiros, porém, todo o material utilizado é doado ou custeado pelo próprio Eduardo.

Além de proporcionar o acesso à arte e cultura, dentro de um território com escassez de oportunidades dentro destes segmentos, as oficinas oferecem a oportunidade dos alunos se expressarem livremente através de seus grafites, superarem tabus sociais e até conflitos pessoais.

Para a aluna Simone de Moraes, que sempre teve paixão por desenho, a oficina criou uma chance única de se descobrir profissionalmente. "Aqui é o lugar onde eu me encontro, me sinto à vontade para fazer o que eu gosto", completa Simone.

Já a pedagoga Daniela de Moraes, enxerga a iniciativa como um espaço de inclusão das mulheres em um segmento de maioria masculina. "Fico me imaginando fazendo um desenho na rua e as meninas se inspirando, percebendo que elas também podem grafitar", idealiza Daniela, que já realiza intervenções urbanas com técnicas de estêncil e agora no grafite, buscas novas formas de expressão.

Formado em jornalismo e redator publicitário, Leandro Medeiros, o Lemede, participa da oficina para expandir suas competências profissionais. "Eu vim do digital, nunca tinha feito nada parecido. Não conhecia técnicas e formas de pintura, agora faço coisas que só conseguia no computador", nos diz Leandro.

Wesley de Oliveira, que acompanha o trabalho de Eduardo desde 2015 quando o artista aplicava oficinas de grafite na região da Cidade Tiradentes, relata como a arte o ajudou a superar um quadro de depressão.

Oficina de Grafite
"Iniciei o grafite em 2015 na Casa de Hip Hop de Cidade Tiradentes. Comecei enquanto estava com um quadro de depressão profunda, indicado pelo Caps, onde fazia desenho a guache. Descobri o trabalho do Punk e o grafite me ajudou a superar a depressão e as diversas tentativas de suicídio. Hoje trabalho não só com o grafite, mas cada vez quero mergulhar neste mundo da arte", descreve Wesley.
Darlene, designer e fotógrafa, acrescenta a importância da oficina de grafite como espaço de capacitação profissional. "Na periferia existem poucos centros culturais e locais de qualificação profissional. Esta iniciativa cria a possibilidade de dar uma base de disciplina, determinação e respeito com o próximo para quem não pode se deslocar para o centro. Educa de diversas formas, educa para vivermos em sociedade, educa para vivermos em família. Descentraliza a cultura e pode virar referência", complementa.

Para Eduardo, iniciativas como esta necessitam do apoio da população, pois funcionam como instrumento de resistência e manifestação social. "Nós devemos valorizar espaços como este, pois aqui formamos novos artistas, pensadores e damos continuidade ao que já foi feito no passado".

As oficinas continuam até o mês de Novembro na Biblioteca Gilberto Freyre, localizada na Rua José Joaquim, 291, no bairro do Sapopemba. Acontecem todos os sábados, das 10 horas às 12 horas da manhã.
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!