18 de março de 2020

Prevenção, desinformação e desigualdades são desafios da periferia no combate ao novo Coronavírus

Com o avanço do Covid19, o novo corona vírus, a periferia precisa se preparar para enfrentar um inimigo que escancara desigualdades históricas e abre um futuro de insegurança para população em situação vulnerável
Desde o início do ano o mundo enfrenta um pandemia do vírus Covid19, o novo corona vírus, que infecta milhares de pessoas no planeta e está causando uma série de ações do poder público para conter seu crescimento. No Brasil, o governo federal, omisso até os primeiros casos surgirem, cria estratégias de contenção do vírus e proteção da população, em especial o grupo de risco de contágio – idosos e pessoas com doenças crônicas como diabete e bronquite – além iniciar ações de isolamento social.

Ações de prevenção são adotadas apenas em alguns espaços, a divulgação de informações ainda é desencontrada e população ainda não assimilou os riscos que o contágio em grande escala pode causar em nossa cidade. O receio do impacto do novo vírus atingem direto uma parcela da população, que sofre com ofertas de proteção social desiguais: as periferias e favelas.

As periferias podem ser um reduto de proliferação do novo corona vírus, visto que trabalhadores continuam a exercer suas atividades em empresas, que em muitos casos, não adotam medidas de prevenção. A população de grupo de risco periférica, que já sofre com a falta de estrutura e oferta na saúde pública, enfrenta agora a perspectiva da falta de leitos nos hospitais e a aglomeração de moradias nas regiões periféricas, que inviabilizam um isolamento social adequado. Isso sem considerar os problemas sociais já existentes em nossas periferias, como a falta de saneamento básico, cobertura e distribuição de água potável, o acumulo de lixo nas vias públicas, entre outros desafios de nosso cotidiano.
Como medidas de enfrentamento, a periferia deve mobilizar-se para ações individuais e coletivas. Visto o grande número de informações desencontradas e notícias falsas sobre do que se trata o Covid19, métodos de prevenção e até receitas que eliminam o vírus – que ainda não possui medicamento específico ou cura -, seguir as instruções de prevenção dos órgãos públicos é uma atividade de solidariedade que pode conter a contaminação e disseminação do vírus, principalmente em nossas comunidades. Orientações do que se trata o vírus e da higienização das mãos foram divulgadas pela Secretária Municipal da Saúde de São Paulo.
O que é?
O coronavírus (CoV) faz parte de uma grande família viral que causa infecções respiratórias em seres humanos e em animais.

Sintomas :

-Febre
-Sintomas respiratórios: tosse e dificuldade para respirar
Se você tiver estes sintomas, procure atendimento médico.
– Histórico de viagem internacional (14 dias antes do início de dos sintomas) ou contato com caso suspeito para coronavírus.

Orientações :

-Cubra sua tosse
-Utilize lenços descartáveis e jogue-os no lixo após o uso
-Cubra sempre o nariz e a boca ao tossir os espirrar
-Lave as mãos frequentemente com água e sabão
-Evite aglomerações ou locais pouco arejados
-Evite tocar olhos, nariz e boca.
-Não compartilhe objetos de uso pessoal."

Fonte: Secretaria Municipal da Saúde/Município de São Paulo
O atendimento aos casos suspeitos também é um desafio para a população mais vulnerável, que já encontra a superlotação dos equipamentos de saúde pública no decorrer do ano e agora enfrenta a falta de leitos e estrutura para o diagnóstico de contaminação.

A preservação da saúde surge como talvez única alternativa para sobrevivência, contando com descaso e ações do poder público que não asseguram e impactam o povo periférico. Cuidar-se é e será um ato de resistência. Informar-se e informar de forma correta familiares, amigos e moradores de nossas comunidades; respeitar as orientações médicas; combater notícias falsas e boatos que circulam pela internet; sensibilizar pessoas em nosso entorno que pertence a grupos de risco; sensibilizar pessoas que podem se tornar portadoras do vírus; isolar-se ou criar estratégias para evitar aglomerações; são atos que poderão neste momento salvar vidas periféricas.
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!