6 de março de 2018

Um novo momento: somos Vozes!


Continuamos expandindo, só que agora ainda mais fortes para ajudar a mudar outras comunidades através da comunicação. A começar pela Brasilândia e Jd. Sinhá.

Lembramos até hoje como foi a primeira edição do jornal, que só saiu por intermédio de uma vaquinha online e de parceiros, aquela foi a tiragem mais difícil de colocar na rua até hoje, mesmo depois que decidimos subir o sarrafo e ir para outras favelas, impactar outras periferias. O primeiro exemplar entregue foi muito significativo, algo que aqui é preferido não comentar. Mas o fato é que aquela ideia de um jovem, considerado por muitos maluco, segue crescendo e hoje tantas outras pessoas colaboram e fortificam um trabalho demasiadamente gratificante.

Nos últimos meses passamos por reformulações de equipe, de estratégia e cogitamos até interromper novamente o trabalho por falta de recursos. É, leitor, é muito mais complicado do que parece captar recursos para um jornal, ainda mais de cunho comunitário como nós somos, mas insistimos e hoje estamos vendo mais um filho nascer: a 9ª edição.
Esperamos que você informe-se, entretenha-se e conheça um pouco mais de cada uma das nossas novas localidades de atuação. Cada integrante, cada pauta e cada sugestão foi especialmente levantada, escrita e produzida para representar positivamente as periferias e também para reivindicar direitos mais do que necessários para que os nossos vivam com saúde e prosperamente.

Ao final deste editorial reforçamos que se você quiser participar do Vozes, estamos prontos para receber, seja na Vila Prudente, na Brasilândia ou no Jd. Sinhá; ajude-nos a fazer a nossa própria narrativa de favelas e do povo favelado.
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!