painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Gabriela Alves
23/11/2020

Yes, we can: educadores criam cooperativa de ensino em Itaquera e oferecem cursos de inglês a valor acessível

Iniciativa pretende ajudar na qualificação de moradores da região com educação humanizada, além de criar estratégias para valorização do trabalho de professores
A Cooperativa Educadores Cohab II, fundada em 2015, é um projeto que oferece cursos a preços acessíveis para os moradores da região de Itaquera, bairro localizado na periferia do extremo leste de São Paulo. A organização nasceu, principalmente, de um olhar atento à necessidade de uma educação de qualidade somada à luta por um trabalho digno aos professores.

Os irmãos Leandro, 38, e Samuel Chaves, 35, foram os primeiros a conversar sobre a existência da cooperativa. Filhos de educadora, o trabalho com educação é parte do DNA da família. Carmem Chaves, mãe dos fundadores, é professora há 30 anos e já deu aula em cursinhos preparatórios para concurso na região, reforço escolar, entre outros. Reconhecida na comunidade, juntou-se a dois de seus cinco filhos (quatro deles, professores) para o início do projeto.

Leandro, que está na fase final do curso de História na USP e Samuel, formado em Geografia desde 2016, também pela Universidade de São Paulo, cresceram na região da Cohab II - localizada no distrito de José Bonifácio, região de Itaquera, bairro que conta com mais de 500 mil habitantes -, já residiram em outros locais. Ambos uniram forças com outros colegas educadores para a fundação da cooperativa. Ativos em movimentos sociais, os irmãos costumam participar de centros culturais e foi também nestes espaços que conheceram os demais participantes do projeto.

De acordo com dados da Pesquisa Anual por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua) de 2018, divulgada em junho de 2019, 24,3 milhões de pessoas de 15 a 29 anos não frequentavam escola, curso da educação profissional ou o pré-vestibular. Estes mesmos jovens também não haviam concluído a educação básica obrigatória ou, entre os que concluíram, não haviam alcançado o grau de superior completo.

Os professores destacam que título de “cooperativa” não é meramente ilustrativo. A trindade da “missão, visão e valores” está ligada à característica de construir um tipo de trabalho cujo professor participe de todas as decisões em todas as fases do projeto, e não somente dos ganhos.

Hoje, a escola conta com o trabalho de 11 educadores, que participam ativamente de todo o processo de construção pedagógica e administrativa. Os cursos oferecidos são: cursinho pré-vestibular para ETEC (Escolas Técnicas Estaduais, pertencentes ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, com ensino médio integrado ao ensino técnico), acompanhamento escolar, que também inclui tutoria e reforço (nível da alfabetização de crianças, adolescentes e adultos), centro de idiomas com cursos de inglês e espanhol, e incluem demandas de aulas particulares (com aulas para concurso e matérias específicas).

A cooperativa também trabalha com a alfabetização de adultos, que segundo Leandro, tem adesão dos alunos mais velhos, que preferem este tipo de auxílio por não se adaptarem ao EJA (Educação de Jovens e Adultos), nova nomenclatura para o antigo supletivo (programa educacional para quem não concluiu o ensino fundamental e/ou médio no período adequado).
"INGLÊS FEITO PELA QUEBRADA PARA TODA QUEBRADA!"
Ainda de acordo com a PNAD-Contínua, em 2018, 831 mil pessoas frequentavam o Educação de Jovens e Adultos (EJA) do ensino fundamental e 833 mil pessoas, o EJA do ensino médio. Quando se fala em idade, 48,5% dos estudantes do programa tinham até 24 anos e 29% tinham 40 anos ou mais. No EJA voltado ao ensino médio, o grupo mais novo totalizou 52% dos alunos, enquanto o grupo de estudantes mais velhos, com idade entre 25 a 39 anos, representou 32,3%.

Todos os cursos são oferecidos a preços populares para promover acesso à educação para os moradores da região. Atualmente, Itaquera apresenta taxa de 1,27 de empregos formais para cada 10 mil habitantes da população em idade ativa (PIA), segundo o Mapa da Desigualdade de 2019, realizado pela Rede Nossa São Paulo.

Foto: divulgação

EDUCAÇÃO HUMANIZADA versus CRISE DA EDUCAÇÃO
Ao falar da cooperativa, Leandro expõe que um dos propósitos é dar uma educação humanizada com “relações horizontais” aos alunos, para além do conteúdo aplicado, e andar na contramão da crise da educação. Para o professor, esta crise também atinge aos professores com a precarização do trabalho.

CORONAVÍRUS E O ENSINO À DISTÂNCIA
A escola, assim como muitas do país, adaptou-se às crises sanitária e econômica gerada pelo coronavírus e passou a ter aulas on-line. Para isso, utilizam as ferramentas como Google Classroom (Google Sala de Aula) e o Meet Google, uma plataforma que possibilita reuniões on-line.

INFORMAÇÕES:
A Cooperativa de Educadores da Cohab II fica localizada na R. Emília Brasão, 9 - Conj. José Bonifácio, em Itaquera. O site, com mais informações é: https://educadorescohab2.com/, e o Instagram é @educadores.cohab2.

Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!