painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Vanessa Barreto
14/10/2020

Favela Records revela grandes artistas da Baixada Santista

Há aproximadamente 5 anos o Estúdio de Gravação Musical veio para mostrar que favelado também pode
O Favela Records é um estúdio de gravadora independente nascido em 2015, na Praia Grande (litoral Sul de São Paulo), que vem atuando com o objetivo de fomentar artistas, gravadoras, editoras, criadores e proprietários de conteúdo a obterem sucesso.

A ideia inicial era criar um estúdio de produção musical e tudo começou em 2015 quando David Lucas (29), mais conhecido como DJ Toddy, decidiu deixar de lado as apresentações em festas para focar apenas em produção musical, junto de seu colega DJ Rafa, conta: “Eu fazia algumas festas na quebrada e em 2012 conheci o DJ Rafa que já tinha muita noção e conhecimento na música. Na época comecei a namorar e fiquei desanimado com a vida de baladeiro, comecei a focar mais em produção musical e fui deixando de lado as festas, aí foi quando eu e o DJ Rafa decidimos criar uma produtora chamada “Favela Records””.

Devido aos imprevistos financeiros que ocorreram no início do projeto, o Favela Records passou a ser uma gravadora e o DJ Toddy acabou seguindo com o plano sozinho, completa: “Nós tentamos com a ideia de produtora, mas não deu certo devido às condições financeiras, aí ele - DJ Rafa - deu uma desanimada no projeto eu resolvi continuar. Fiquei com um estúdio improvisado em casa mesmo durante 3 anos e fazendo os conteúdos para a internet. No início era mais um hobbie e com o tempo a Favela Records foi crescendo nessa mesma época.”.

A ideia da gravadora surgiu com o propósito de ajudar os artistas residentes nas periferias da Baixada Santista e todos os jovens que sonham em atuar com a produção musical, seja na frente ou por trás das câmeras e microfones, e conforme David foi estruturando o projeto, o DJ também foi conhecendo outros profissionais da área como DJ Mu540, DJ Turano e MC Larisson, e trazendo para dentro da gravadora.
Em 2018 o DJ Toddy alugou um espaço para ampliar o estúdio e acabou se mudando para um bairro mais próximo do local, mas mantendo o propósito de vida enorme em ajudar os artistas de sua quebrada e cidade. O que mais lhe inspirou nesse processo foi a vivência na música e estar no mundo das produções musicais, conta: “Eu criava as festas e comandava o som, aí me tornei dj, de dj conheci a produção musical e estou aqui até hoje.”.

O intuito do projeto é tirar a molecada da rua e dar exemplos de profissões dignas, mostrando tudo o que rola nas produções musicais, seja como cantor, compositor, ator, dançarino, fotógrafo, videomaker, designer gráfico, maquiador e etc. “Dentro do morro tem vários talentos a serem explorados, precisamos dar oportunidades e mostrar que favelado também pode... favelado também pode conquistar tudo aquilo que sonha, basta ter oportunidade e correr atrás dos objetivos.”.

Atualmente a Favela Records atende artistas do funk e rap, mas não possui nenhuma restrição musical. O estúdio é aberto para todos os artistas e seu o maior objetivo é dar espaço e revelar profissionais da área independente do público.

A Favela Records já auxiliou no desenvolvimento de vários artistas, trabalhando indiretamente com Brisa Mc, Kayn, Mc Larisson, Dj Turano, Dj Rafa, MC Lautner, Mc Eliot, Bicudo Mc, Mc Celo, Mc 2F, Mc Alemão da VM, Dj Yuri Pedrada, Mc Pekeno do Saboó, Mc Wesley SP, Dj Mu540, Kyan e entre outros grandes nomes da cena do funk e rap nacional, e com isso outros artistas de fora acabam procurando a gravadora em busca de trabalho.

“O Kyan é um grande exemplo disso, revelamos ele no início e hoje é um dos artistas mais requisitados na cena do rap. Kyan se resulta com mais de 20 milhões de acessos no próprio canal no Youtube, atualmente faz parte do selo Ceia Ent. e consequentemente também abriu bastante portas para nós e vários artista que convivem com a gente no dia dia.”.

Com isso, David segue dando o seu melhor ajudando os talentos de todas as quebradas e que desejam viver da música. “Tento arrumar recurso pra ter um suporte pra esses artistas e profissionais da área. Também pretendendo colocar cada vez mais artistas para trabalhar com a gente na Favela Records, e quem sabe até abrir uma rede de franquia de estudios Favela Records por todo pra Brasil.”.

Para melhor atender seu público, a Favela Records conta com um financiamento coletivo aberto com o intuito de aumentar e especializar cada vez mais o estúdio. Para saber mais acesse: http://vaka.me/524695

Acompanhe o Projeto nas redes sociais e fique por dentro das novidades:
Facebook: facebook.com/FavelaRecordsofc/
Instagram: @portalfavelarecords
Youtube: Estúdio Favela Records
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!