Postado por beatriz nagai
30/07/2020

jovem encontrou na arte seu grande sonho

Aos 16 anos, Amanda Madivedick desenvolve suas habilidades nas artes plásticas e criações digitais
Amanda Madivedick, moradora da Vila Prudente, é aluna do Vozes das Periferias desde 2018, já passou pelo curso de teatro, mas foi no de artes que se encontrou. Aos 16 anos, já sabe o que quer ser no futuro e as aulas têm ajudado a seguir seu sonho. Conversamos com ela para nos contar um pouco mais sobre sua relação com a arte e o Vozes.
Amanda, conta um pouco sobre você pra gente te conhecer:
Meu nome é Amanda Madivedick, mas o sobrenome pode colocar MDK, é como eu assino meus desenhos. Eu tenho 16 anos, estudo período integral e sempre que tenho um tempo livre gosto bastante de desenhar.

E o que você costuma desenhar?
Eu gosto de fazer personagens, tem os que eu mesma crio, alguns são de fanfic e às vezes faço umas releituras, mas dou meu toque rs. Também faço histórias em quadrinhos e animações, esse ano fiz uma pro Vozes e com ideia de mais algumas.

E como surgiu seu interesse por arte?
Quando eu era criança, tinha uma amiga que desenhava sempre, parecia divertido e me empolguei pra tentar também, aí comecei a fazer uns rabiscos no caderno, copiava o que via em todo lugar, na TV, internet, revistas, até que comecei a inventar os meus. Os personagens que tenho surgiram assim no caderno, traçava aleatório até criar forma.

De onde vem sua inspiração?
Os desenhos animados e animes me inspiraram muito, gosto de pesquisar em sites tipo Pinterest e já usei o Amino também, que as pessoas postam seus desenhos e quadrinhos, uma arte minha já foi até usada de tela inicial lá porque gostaram bastante dela! Eu também desenho o que me vem à cabeça, desenho pra pensar mesmo, às vezes com algum problema que não sei como resolver, pego meus lápis e vou rabiscando, surge uma solução e uma arte ao mesmo tempo rs.
E você já falou no Vozes que queria trabalhar com arte, qual profissão quer seguir?
Eu quero trabalhar com animação. Quero gerar conteúdo pra alegrar as crianças assim como os desenhos animados sempre fizeram por mim. Meu sonho é fazer algum desenho pra um canal tipo a Cartoon Network e ver meus personagens na TV.

Como o Vozes te ajuda nesse sonho?
Quando comecei as aulas eu tinha uma noção de desenho, mas ter um professor me orientando me ajuda. Aprendo técnicas novas de pintura e o professor sempre me dá dicas para os meus desenhos, até os que faço por conta própria fora da aula, depois mostro e ele me fala o que achou. E ele também adaptou um pouco das aulas pra mim, me ajudando no estilo de cartoon que eu gosto e me dando atividades que têm a ver com a área que sonho trabalhar. Outra coisa é que eu posso treinar as animações também, foi muito legal produzir uma pro Vozes e espero fazer mais!

E como você conheceu o Vozes das Periferias?
Minha prima era aluna e me falou sobre a ONG, ela gostava muito e vim conhecer, entrei em 2018 e até hoje faço parte.

Amanda Madivedick
Jovem desenvolve suas habilidades nas oficinas de artes do Vozes das Periferias
E o que sente mais falta nas aulas agora durante a quarentena?
Eu não parei de desenhar, mas sinto falta de poder ter as aulas pessoalmente. O professor vendo o que fazendo e me dando as dicas na hora e sendo tipo um mentor mesmo, dando atenção pra cada aluno.

Pra finalizar, você quer contar um pouco mais da sua arte?
Eu queria dizer que com uns projetos em andamento rs. Tenho quadrinhos com histórias minhas que já estão até na segunda temporada, umas animações e uma meta de desenhar todos os dias pra praticar. Meu canal no Youtube, que é Amanda MDK, ainda em construção, mas já tem uns vídeos e ainda vou atualizar pra divulgar minha arte, me empenhando bastante e tenho apoio do Vozes com as aulas, da minha mãe – meu presente de 15 anos foi um kit completo de pintura que ela me deu – e dos meus amigos que me incentivam, ainda quero orgulhar todos eles com meus desenhos.

Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!