painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Talita Fiocchi
31/08/2020

MC Marlon conta sua trajetória no universo da música

Participante da Cypher Vila Prudente tem sua caminhada ligada a música desde cedo
Marlon Batista tem apenas 20 anos e é MC da Vila Prudente. Apesar de parecer pouca idade, o jovem tem uma vasta vivência que reflete em suas letras de músicas. Nesta entrevista ele nos conta como sua carreira musical aconteceu de forma orgânica, e sua participação na música Cypher Vila Prudente:
Você pode me contar um pouco da sua história? Quem é o Marlon, quantos anos você tem, sempre morou na Vila Prudente?
Eu nasci e fui criado morando numa favela, era eu, meu pai e minha mãe. Isso até meus 8 anos de idade, daí em diante era só eu e minha mãe, os dois tinham se separado. Mas aí é outra história.
Minha mãe me criou basicamente minha vida inteira sozinha, sem precisar de ninguém, hoje eu tenho muito que agradecer a ela, e um dia eu vou, não só com palavras, dando muito orgulho pra ela. Na vida eu passei muita dificuldade, enfrentei barreiras, e coisas que só quem sente vai entender. Minha história começa quando meus pais se separam, onde percebo que algo estava errado, que aquilo era diferente, e do nada tudo mudou: troquei de casa, não tinha mais meu pai por perto, era tudo diferente… Foi ali onde eu comecei a olhar pra frente, e pensar de verdade; ali eu deixei de ser apenas uma criança, comecei a evoluir, e acho que a vida me proporcionou isso, e deu sabedoria pra minha mãe me criar, ensinar, e educar.

Em poucas palavras, quem é o Marlon?
Eu sou um cara simples, que gosta de viver a vida, faço amizade com qualquer pessoa, converso bem, sou bem humorado, sempre estou divertindo as pessoas ao meu redor. Sou um cara que pensa na vida, no futuro, no que vale a pena investir, e no que eu devo melhorar em mim mesmo. Tenho 20 anos de idade, de muita coisa vivida, e coloca vivencia aí viu?! A idade é pouca mas historia pra contar tem tanta que não dá pra contar todas. Sempre morei na Vila prudente desde quando era recém nascido.

MC Marlon
Mc da Vila Prudente conta sobre sua trajetória
O que a música significa pra você?
Eu sempre falo pra qualquer pessoa que me pergunta isso, a música pra mim é tudo, no sentido literal: a música move o mundo! Imagina um mundo sem música? Sem festas, sem rolê, sem barzinho, sem shows, sem playlist, no geral, sem música... Não seria um caos? A música pra mim é isso, sem ela o mundo não seria o mesmo, ouço música pra ir trabalhar, pra tomar banho, pra limpar meu quarto, pra qualquer coisa.

Como você começou na música?
Não me recordo o ano exato, mas foi por volta de 2011/2012 eu passei de ouvinte do funk e do rap, pra cantor. Comecei a rimar igual os músicos que cantavam, na escola eu fazia rodinha de rima com os parceiros, e ali era uma brincadeira que durou anos. Então, em 2016, eu comecei a escrever minhas primeiras letras, guardava pra mim mesmo, cantava e gravava um áudio pra ficar ouvindo em casa. Isso eu comigo mesmo, sem ninguém saber. Foi aí que do nada eu decidi colocar um vídeo cantando no meu perfil do Facebook, lá em 2017, e muita gente viu e gostou. Aí eu fui fazendo e fazendo, e um Dj, o Dj Dengue (Douglas) criador do Studio Made In Favela, postou lá no Facebook perguntando quem gostaria de participar de um projeto de rap envolvendo pessoas da vila prudente, de preferência da quebrada, foi ai que eu me ofereci e rolou o projeto. Escrevi a letra, gravei o som e sai num vídeo clipe com mais 7 músicos e 1 DJ, se chama Cypher Vila Prudente, daí em diante não parei mais.

Alguém te inspirou a seguir esse caminho?
Na verdade eu comecei o rap na dança, no breaking, quando eu era do fundamental, eu dançava com amigos meu. Quem me ensinou a dançar e dar saltos mortais foi o Bboy Igor, que dança até hoje e já apareceu até na televisão, com uma matéria exclusiva dele. Mas na música, a cantar, acho que veio naturalmente, e a continuar sempre tive meus amigos do lado, alguns que seguiram o mesmo caminho, e daí um ajuda outro.

Você falou que dança desde pequeno. Como isso começou?
Começou no fundamental, na quinta série. Meu amigo dançava e eu e outros meninos ia no embalo dele porque ele era o mais velho da turma. E ele ensinava à gente dançar, tinha show de talentos a gente se apresentava e tals.

A vivência na periferia influencia sua música?
Morando aqui eu já passei por muita coisa que muita gente não passou. Eu quero contar pras pessoas como é difícil, porque vejo muita gente falando coisas que não convém. Muita gente que não é de favela, que fala que favela é isso, favela é aquilo. Então por ser um favelado eu quero expressar na música tudo que eu tenho pra dizer. Em muitas músicas, e também falar da minha história, da cultura dentro da favela, que nem todo mundo é bandido, etc.

Você acabou de lançar a música “Menor Sonhador”. Você pode falar um pouco sobre essa música?
Essa música conta um pouco do meu passado, da minha infância, das dificuldades, tento passar uma visão pra quem ouve, de que mesmo na dificuldade o crime nunca compensou, e nunca vai compensar, de que a gente pode tudo, de que somos o que quisermos ser. A música fala por si mesma, só ouvindo ela pra entender.

Você pode falar um pouco sobre a sua participação no Cypher Vila Prudente? Como isso aconteceu e o que isso significou pra você?
Como a música, a cypher é tudo pra mim. Foi o ponta pé inicial na minha carreira, com vídeo clipe e música oficial num estúdio profissional. Foi um sonho realizado, foi a primeira experiência com clipe, conheci pessoas que fizeram a diferença e hoje somos parceiros. Por conta da cypher eu fui visto pela minha quebrada pela primeira vez de uma forma artística, recebi e recebo elogios até hoje sobre minha participação nela, mudou minha vida e fez eu querer essa vida mais ainda, foi a prova de que eu gosto disso e eu vou fazer isso.

Quais seus planos futuros?
Ser conhecido e viver da música.


Confira o último lançamento de Marlon MC: Marlon - Menor Sonhador (Prod. IcaroBeats)
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!