painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Beatriz Nagai
23/10/2020

“O que a quebrada te ensina para a vida?”

Iniciativa de grupos culturais fazem da quebrada uma sala de aula
ALocalizado na zona sul de São Paulo e com mais de 360 mil habitantes, o bairro do Grajaú é um dos mais famosos da cidade. Apesar de ser uma região onde um grande número de moradores não tiveram acesso ao ensino superior ou até mesmo à escola, o local não fica para trás no quesito riqueza cultural.

Foi observando o potencial do território junto à vontade de transformar a vida das pessoas e mostrar que a quebrada tem muito a oferecer, que uma rede de coletivos do extremo sul paulistano idealizou a UniGraja - Universidade Livre Grajaú. A iniciativa, que surgiu em 2018, tem como objetivo fazer com o que esse território seja reconhecido e cresça como uma “quebrada educadora”, fomentando a cultura e os saberes locais através de vivências em arte, empreendedorismo, produção cultural e sustentabilidade.

A UniGraja, junto com agentes culturais da região, já articulou diversas atividades desde seu surgimento, uma delas foi o encontro “Sustentabilidade ambiental e institucional”, uma reunião para discutir e aprender sobre educação ambiental que ocorreu na sede da Cooperpac (iniciativa integrante da UniGraja). Outra ação foi a vivência “Muros e Redes: Construção de Narrativas Periféricas”, que contou com jovens do Circo Escola Grajaú para dialogarem e elaborarem narrativas periféricas através da arte e do jornalismo.

Mesmo em tempos de pandemia, a UniGraja não parou com os projetos, em junho deste ano realizaram o lançamento de 3 materiais online que documentam todo o trabalho feito desde 2018, sendo um relatório completo, um documentário produzido pelo coletivo Graja na Cena e uma história em quadrinhos ilustrada por William Mangraff, artista visual e educador na zona sul.

Confira mais sobre a UniGraja em seus perfis do Instagram e Facebook ou acompanhe as iniciativas que fazem parte da Universidade Livre Grajaú: Agência Cresce, Casa Ecoativa, Cooperpac, Graja na Cena, Imargem, Meninos da Billings, O que cabe no meu prato?, Periferia em Movimento e Salve Selva.

UNIGRAJA
A quebrada é nossa sala de aula
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!