painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por Millena Gama
18/11/2020

PerifaLions surge na capital paulista para ajudar alunos da periferia que estudam Comunicação Social ou Design

Voltada para o incentivo à educação e a integração destes estudantes no mercado de trabalho, a iniciativa ainda conta com a participação no Festival de Criatividade de Cannes para a dupla vencedora
O projeto independente e sem fins lucrativos surgiu em 2019 diante da observação de que o mercado da publicidade ainda é muito restrito e elitizado. No UNASP-Capão Redondo, o professor Flávio Salcedo e a comunicadora Irina Didier idealizaram um Festival de Cannes na região para levar profissionais que inspirassem e motivassem os alunos. A fala de um deles “eu nunca nem saí do Capão, imagina sair de São Paulo” provocou a modificação necessária da ideia que contou com a colaboração da diretora de arte Letícia Rodrigues. Os três aprimoraram a ideia e decidiram que levariam os alunos para o Festival de Criatividade de Cannes, realizado na Riviera Francesa.

“Eu acho que na verdade a minha maior contribuição foi trazer o problema, elas que vieram com a solução”, relembra Flávio. As sugestões dos alunos se tornaram o principal motor para o andamento da iniciativa e Irina ressalta que não tem nada que eles não mudariam para agir de forma justa.

Quando visitaram agências a procura de apoio, eles se depararam com empregadores que queriam contratar pessoas da periferia, mas não sabiam por onde começar. O projeto ocupou cada vez mais o papel de servir como uma ponte entre os alunos e o mercado.

“A criatividade é subjetiva, o critério é subjetivo, né? Então, para criar um bom critério criativo você precisa da troca, você precisa da vivência, você precisa da experiência”, evidencia a diretora de arte. Letícia também destaca que a proposta sempre foi “criar um projeto de não só inserir os alunos no mercado, não só fazer com que a periferia seja vista”, mas sim que os alunos compreendessem que “o lugar deles é onde eles quiserem estar”, dar a oportunidade de escolha.

PREMIAÇÃO
A proposta do projeto é a criação de campanhas publicitárias realizadas em dupla por alunos que moram na periferia de São Paulo. A premiação para a dupla vencedora inclui um curso intensivo de inglês, a participação no Festival de Cannes com tudo pago, além de vagas de estágio remunerado por 1 ano. Já a segunda e terceira dupla ganham vagas de estágio e bolsas de estudo.


Foto: divulgação
O RUGIR DO LEÃO
“PerifaLions” é a junção de periferia e lions (leão) que representa o Festival de Criatividade de Cannes. A criação do logo foi pensada pelos próprios alunos e a diretora de arte Letícia Rodrigues atuou como mentora.

ALÉM DA AURORA DO TEMPO
Flávio é responsável pela interação com alunos, coordenadores e universidades; Letícia procura apoio das agências e Irina divulga, mapeia e faz tour pelas faculdades para apresentar o PerifaLions. Eles pretendem abrir mais categorias para incluir outras áreas da publicidade e atender estudantes que moram em outros estados do país, mas precisam de pessoas que os representem nestes locais.
Por conta da Covid-19, o Festival deste ano não acontecerá e a iniciativa está estacionada. As bolsas de estudo foram mantidas, mas algumas vagas de estágio precisam da confirmação dos apoiadores que vivem este momento de incerteza no mercado.
Conheça mais no site https://www.perifalions.com.br e veja as novidades no instagram @perifalions_br.

Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!