painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por beatriz nagai
23/08/2020

QUEBRADINHA: UM REGISTRO EM MINIATURA DA PERIFERIA

A Quebradinha, além de entretenimento, de algo pra ser bonito, é uma forma física de se resguardar e eternizar a estética visual periférica
Fotógrafo, produtor audiovisual, educador e artista. Esses são alguns dos atributos de Nenê, (26), que se denomina um “fazedor de coisas”. Morador do Campo Limpo, o jovem veio de Alagoas para São Paulo há cerca de 12 anos e hoje tem diversos projetos na cidade, o mais recente e que chamou a atenção do público nas redes sociais, foi a Quebradinha.
O que agora se chama Quebradinha, são coisas que sempre gostei de fazer, pegar lata de óleo e fazer carrinho pra brincar ainda lá no Nordeste, essas coisas pequenas, manuais, isso sempre foi o meu passatempo.

Feita de materiais reciclados, como palitos de sorvete, tampinhas e papelão, a Quebradinha é um universo em miniatura das periferias, uma forma de documentar a arquitetura e realidade local através das mini casas que Nenê constrói. Por circular há anos pelas periferias, as imagens das favelas estão na memória do fotógrafo, que pega as referências do que viu e o que ficou em seu subconsciente e as transforma em suas miniaturas.
Nenê, que já tem 6 casas construídas, está com a próxima em andamento e ele nos contou sobre como consegue os materiais para as casinhas: “tô andando de bike e de repente vejo uma tampinha na rua que me chama a atenção e já imagino ela no projeto, aí eu paro e pego. Eu não vou em busca dos materiais, eles que me acham, na realidade minhas mãos são só intermediárias, a Quebradinha é muito maior que eu, apesar de ser tudo pequenininho rs.

O artista também nos falou sobre os objetivos da Quebradinha, que nunca teve como pretensão ser algo comercial, é uma coisa que Nenê gosta e faz por prazer. Hoje, com seu público crescendo cada vez mais, ele vem recebendo propostas de encomendas de suas miniaturas, mas diz que a ideia ainda é manter o projeto para si e não tornar isso uma fonte de renda, para que a Quebradinha não seja somente trabalho e se preserve como forma de demonstrar sua arte. Quando questionado sobre exposições de suas miniaturas, Nenê já se animou mais. “Eu só tô esperando o final da pandemia, quero que aconteça num sábado de sol aqui na zona sul, com muita comida pra receber as pessoas e trocar uma ideia, conhecer todo mundo, tô aguardando ansioso”, afirma o produtor audiovisual.

Quebradinha
Artista transforma o que viu durante a vida na quebrada em miniaturas

Foto: Léu Britto
Durante a conversa, Nenê diz que observa como a periferia se transforma de maneira muito rápida: "se você vai na quebrada hoje e volta em 10 anos, tá tudo diferente. As pessoas cresceram, se mudaram, o visual do lugar é outro, isso em um espaço de tempo de uma década, que historicamente falando é muito pouco". A Quebradinha acaba tendo como intuito ser um registro estético do que existe hoje ali.

Para finalizar, perguntamos se ele tem alguma dica para os alunos do eixo cultural do Vozes, para colocarem suas ideias artísticas em prática:
O que funciona pra mim é não me preocupar em tentar ser o melhor ou o mais popular, o importante é ser verdadeiro comigo mesmo e com minha arte. Não existe uma fórmula de sucesso, mas esse é o ponto principal pra uma ideia sair do papel e tudo começar a andar."

Conheça mais sobre os projetos do Nenê no Instagram:
Miniaturas da quebrada: @quebradinha_
Fotografia aérea: @menino_do_drone
Produção audiovisual: @fxo_midia
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!