painel de controle e impacto
Quer acompanhar o desempenho do Vozes e demais parceiros sociais na luta contra a Covid-19?
Clique no link e confira nossos resultados em tempo real!
Postado por vanessa barreto
17/09/2020

Setembro amarelo - precisamos falar sobre o suicídio

Você já se perguntou o que há por trás do comportamento suicida e qual mensagem se esconde atrás desse ato?
No último dia 10, foram realizadas ações referente ao dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A data foi criada em 2003 pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (IASP) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de prevenir o suicídio por meio de estratégias governamentais nos países e neste dia realizam-se milhares de atividades em todo o mundo para salvar vidas.

O Brasil não se contentou em apenas um dia e em 2015 foi criado pelo Centro de Valorização da Vida (CVV) em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) o Movimento Setembro Amarelo, com a ideia de associar à cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10 de setembro).

A razão da escolha da cor amarela vem da Campanha em alusão a um suicídio ocorrido no ano de 1994 nos EUA, cometido por um jovem de 17 anos, Michael Emme, que era apaixonado pela cor. Em memória do jovem, seus pais criaram a organização de prevenção ao suicídio, chamada Yellow Ribbon, que passou a representar a luta pela prevenção em todo o mundo.

A proposta do Setembro Amarelo é estampar e iluminar a cor amarelo com o intuito de informar as pessoas, garantindo cada vez mais visibilidade à causa, pois mesmo com tantos casos notórios a cada ano, ainda existe uma expressiva barreira em falar sobre o assunto.

Os fatores de risco associados ao suicídio é tão amplo que qualquer pessoa pode se encaixar em uma das situações durante a vida. Sendo transtornos mentais, depressão, bipolaridade, situações de vulnerabilidade/isolamento social, esquizofrenia, questões psicológicas e etc. Embora a campanha seja em setembro, é fundamental sobre a prevenção do suicídio em todos os meses do ano, e a melhor forma de se evitar é através de diálogos e discussões que abordem o problema.

Como posso ajudar uma pessoa com ideação suicida?
Seja acolhedor e escute o que a pessoa tem para dizer. Jamais julgue e/ou banalize a dor do outro, pois existe um sofrimento imenso ao ponto de pensar em tirar a sua própria vida. Ofereça ajuda para buscar um profissional.

Onde encontrar ajuda?
Saber a hora de buscar ajuda é tão importante quanto saber onde encontrá-la. Uma das principais dúvidas é saber onde encontrar atendimento gratuito ou mais acessível de profissionais da psicologia. O Mapa da Saúde Mental (https://mapasaudemental.com.br/) oferece serviços públicos de saúde mental disponível em todo território nacional, serviços de acolhimento e atendimentos gratuitos e virtual.

O CVV - Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar. O atendimento é feito sob total sigilo por telefone, e-mail e/ou chat 24 horas todos os dias. Acesse: https://www.cvv.org.br/
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!