Postado por JANAÍNA dANTAS
29/07/2021

EM PARCERIA, VOZES DAS PERIFERIAS E SAMI SAÚDE LEVAM ATENDIMENTO PRIMÁRIO PARA COMUNIDADE

Com a ação, centenas de famílias podem ter acesso à atendimento médico por meio de uma cabine de telemedicina
O Vozes das Periferias, em parceria com a healthtech Sami Saúde, está atendendo centenas de famílias com exames de saúde e atendimento médico por meio de uma cabine de telemedicina desenvolvida pelo laboratório de inovação da startup. Os atendimentos acontecem todos os dias na escola de samba Cabeções da Vila Prudente até, pelo menos, 04 de agosto.

A iniciativa surgiu em um momento muito importante já que com a pandemia milhares de pessoas tiveram seus acompanhamentos pelos médicos de família, disponibilizados pelo SUS, interrompidos. “‘Viver em empatia’ é um princípio da Sami, e a partir dele norteamos muitas das nossas ações. O mundo está atravessando uma pandemia, o que significa acesso à saúde ainda mais reduzido para grande parte da população. Falando especificamente das comunidades, sabemos que os programas em que médicos subiam até as comunidades para realizar atendimento clínico estão paralisados por conta da Covid-19. Com isso, optamos por levar a UFA para apoiar neste momento", conta Gustavo Landsberg, Líder de Serviços de Cuidado na Sami e também Médico de Família e Mestre em Atenção Primária à Saúde.

UFA - Unidade Física de Atendimento

De acordo com uma pesquisa feita pelo Vozes e pela Sami com as famílias assistidas pela ONG, mais de 46% das pessoas estavam sem acesso a serviços de saúde por mais de um ano. Após esse levantamento, a equipe de psicossocial do instituto entrou em contato com as famílias para marcar uma consulta. O atendimento é feito na UFA – Unidade Física de Atendimento, uma cabine de telemedicina plus, onde o paciente consegue realizar exames como análise da ausculta de sons pulmonares, monitoramento de batimentos, disponibilização de imagens da garganta e ouvido, aferição da temperatura corpórea e nível de oxigenação no sangue, imagens em alta resolução de lesões, queimaduras, arranhões e picadas na pele, captação de sons do abdômens, entre outros, enquanto é orientado por um médico, em tempo real, do outro lado da tela.

Letícia Armindo, coordenadora de operações do Instituto Vozes das Periferias, ressalta a importância de uma ação como esta para pessoas com vulnerabilidade social. “Realizamos uma pesquisa e a maioria dos nossos atendidos está há mais de um ano sem acompanhamento médico, mesmo aqueles que possuem doenças crônicas. Levar esse atendimento para as comunidades é importante para garantir a integridade física dessas pessoas, principalmente em época de pandemia“.

Confira mais detalhes da ação no vídeo:
Compartilhe nosso conteúdo!
notícias relacionadas
Mikaelly, 16 anos
Mikaelly, 16 anos, é aluna de qualificação do Vozes das Periferias. Em 2019, se formou no curso de Arquitetura e foi convidada, junto com outros 3 colegas de classe, a criar o projeto de reforma do nosso escritório. O espaço passou por uma grande mudança e hoje conseguimos utilizar muito melhor nossas salas.A jovem também realizou outros cursos da área de tecnologia e comunicação, e seu crescimento está sendo muito maior do que o esperado."O Vozes é uma escada para as realizações do meu sonho. Lá eu aprendi que para você vencer tem que ter, acima de tudo, garra".Mika também é voluntária de operações gerais e nos auxilia em nossas atividades de esporte, cultura e qualificação profissional. Sem dúvidas, essa jovem sonhadora ainda vai conquistar o mundo.
Luiz Alberto, 20 anos
Luiz foi aluno do curso de Gestão de Projetos, em parceria com a Comparex, em 2018. A dedicação do jovem durante as aulas o fez estar entre os melhores, concorrendo por uma vaga de emprego na empresa apoiadora."Participar deste curso foi um divisor de águas em minha vida profissional e pessoal, porque lá eu e meus colegas aprendemos muito mais do que as práticas de gestão de projetos, nós aprendemos valores que levaremos para a vida como o #TamoJunto e o #VaiKida".Hoje, Luiz trabalha na SoftwareONE, antiga Comparex, onde cresce a cada dia junto com profissionais qualificados e trilha a sua carreira. Sem dúvidas, essa oportunidade mudou a vida do jovem e abriu diversas portas, transformando sua história e a de sua família.
Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11
Os irmãos Kelvin, 8 anos, e Kelveson, 11, são alunos da oficina de Dança de Rua do Vozes das Periferias e dão um show de talentos.Os b-boys fazem da arte a força para superar qualquer dificuldade e só abaixam a cabeça se for um passo da dança. Eles se dedicam a aprender e a serem melhores a cada dia, desde o hip hip até o passinho do funk. Os meninos ainda se apresentam em locais como a Av. Paulista e estações do metrô, mostrando que a favela é potência e cultura de rua pode chegar onde quiser.
Kayrone, 15 anos
Kayrone, 15 anos, é aluna da oficina de Jiu Jitsu do Vozes das Periferias e voluntária do projeto auxiliando os mais novos durante a aula. Desde o início se mostrou muito interessada e pró-ativa, querendo aprender sempre mais. A princípio seu objetivo era usar o esporte como uma forma de autodefesa, já que os casos de violência contra mulher estão cada vez maiores. Mas com o tempo foi se encantando e trazendo o Jiu Jitsu para vida."O que eu mais gosto no jiu é que independente da sua faixa ou tempo de treino todos se ajudam e crescem juntos".Hoje, Kayrone treina na Academia Nova União SP Mooca, onde ganhou uma bolsa graças a ponta feita pelo atleta e professor Erick Silva.Sua força e garra representa a classe feminina das favelas. Voe alto!